YayBlogger.com
BLOGGER TEMPLATES

sábado, 4 de março de 2017

Por detrás da cortina



Nesses últimos dias me deu na telha pensar se deixar ir é o mesmo que desistir? Entendendo o cru da pergunta e pondo diante da nossa realidade, pode se dizer que o que eu reflito é pura maluquice, algo sem nexo. O que digo é que esse montante de coisas que passa a fio na internet, muito coisa, é deixada para trás.
Acredito e é verdade, ninguém é massinha de modelar de ninguém, pois a vida em si já nos transforma e nos enche de boas novidades, ninguém também é obrigado a aguentar as inseguranças dos outros ou se encaixar ali ou aqui para está próximo de outra pessoa - digo próximo daquela aba de conversa do Messeger.
Concordo completamente com este parágrafo de cima.
Porém a outra face disso tudo é que esquecemos que do outro lado existe alguém, que acaba de tratado tão bem com uma mensagem de bom dia, perguntando se você está bem e até mandando  uma foto da sua mão machucada querendo que de certa forma que você participe daquilo e saiba da sua vida. Porque para esse alguém é motivo de gostar daquele momento delicioso entre caixinhas azuis com palavrinhas dentro.
Somando tantas coisas externas que te fazem voltar a pergunta de cima e você percebe que andou tentado diante da dificuldade de se conhecerem ao vivo, de uma conexão mais direta em uma chamada ao vivo, enfim amolecemos um pouco e notamos o quanto estamos sendo duros consigo mesmo.
Mas a lista só aumenta, por que raios existe a insegurança de por fé nas palavras dos outros e muito mais com um "eu gosto de conversar com ti"? Minha amigas nos últimos dias me alertaram que a internet está aí para ser um pano no ar, onde ninguém ver o rosto de ninguém, então se quebrar a cara está tudo bem e não tem motivos para ficar presa em confiar ou não, mandar mensagem ou não.
O que estou tentando dizer nessas palavras bagunçadas e talvez confusas porque tudo está vindo de dentro, é o seguinte: que esse mundão tecnológico desfaz a mágica de a outra pessoa ver que está ali lutando por alguma coisa, embora não responda as mensagens na hora ou se responde com palavrinhas curtas.
Afinal, eu também gosto da tua companhia nem que seja aqui e os meus dias somam com a ideia fixa de você na cabeça com o que você falou naquela mensagem, pensando como seria no mundo real.

domingo, 19 de junho de 2016

Soltando a imaginação



Oi pessoinhas! Hoje vim compartilhar com vocês um projeto bem legal que incentiva ainda mais quem gosta de desenhar ou até mesmo aqueles que se arriscam em aprender se aventurando com tinta e lápis coloridos.
Eu desde de muito nova sempre amei passar horas desenhando, pintando, fazendo recortes, sempre deixei esse lado aflorar comigo, não posso dizer que sou super adepta a artes maravilhosas acabo fazendo por gostar, tem gente que diz que eu até levo jeito, mas não acredito muito.
Depois de ver cada ilustra linda nesse projeto de tantos grande pequenos artistas os meus são mínimos.
Então, explicando melhor a cada todo mês IlustraDay seleciona um tema bem bacana e diferente para você fazer o que quiser, usar e abusar da sua criatividade, este projeto rola em uma page no facebook e só aumenta. Hoje ele já passa de 5.123 curtidas, te garanto que se passar por lá vai passar horas ali.
É tão bacana que pra quem quer ter uma rotina e se aperfeiçoar nos desenhos, não tem mais desculpas para não praticar, nem que seja uma vez por mês.
Eu por exemplo já deixei três ilustras por lá sendo que os temas foram: Sereia, Unicórnios e agora último Galáxia.





Para participar basta apenas curtir a page, ilustrar e mandar uma foto podendo indicar sua rede social ou blog através do Messenger, viu? É simples! Gostou da ideia? Participe!
Faz um bem enorme, me divirto quando deixo uns minutos para fazer isso e por as minhas músicas nas alturas.
O dia a dia é tão corrido, estressante e cheios de problemas, então chegou a hora de tirar uma folga disso tudo. Comece a ser divertir, a se deliciar com a sua própria companhia e fazer coisas que gosta.

Para acessar: https://www.facebook.com/ilustraday/timeline

sexta-feira, 27 de maio de 2016

A gente vive no tempo triste


A gente vive no tempo triste. É doloroso, angustiante, me faz chorar, faz você, faz com que todas nós choremos. Bia, agora eu queria está do seu lado dizendo que a culpa não foi e nem é sua, poder secar as suas lágrimas, tirar essa dor que está aí dentro do seu peito e te dizer o quanto vai ser mais difícil levar a vida depois disso tudo, mas não desista, eu estou aqui.

Nós estamos aqui, nosso grito se torna mais forte por você e por tantas outras que passam, que passaram e que infelizmente podem passar, porque somos apenas mulheres querendo andar na rua á noite na expectativa de sentir a nossa liberdade percorrer nossas veias e alma que carregamos conosco, mas não, não nos deixam transbordar essa liberdade para o mundo.

O modo que devemos se vistas deve ser livres!

Livres dos julgamentos pela as nossas roupas, seja ela apertadinha, livres para andarem desacompanhas á noite, livres para serem quem quiser, livres do abuso sexual, livres para não serem belas, recatadas e do lar, livres para viver e espalhar a luz que temos dentro de nós.

O tempo que trinta monstros, sem coração, causaram sofrimento a uma menina, fizeram piadas, ninguém parou, ninguém ajudou tirar ela daquele lugar, compartilharam o vídeo, curtiram, repassaram o vídeo, fizeram mais piadas, CHEGA!!!!!

Até onde você, homem, aí do outro lado da tela vai continuar a semear essa cultura sem escrúpulo e que deixa de lado o amor ao próximo? Aonde vamos parar? Será que os dias serão cinzentos como esses por causa dessas atitudes que você não consegue parar?

Aí vem Giu em meu pensamento, a menininha que eu fui na festa de três anos semana passada, vem a Rafa minha afilhada de quatro anos, vem a Sophia que ainda está na barriga da amiga da minha mãe, sabe por que eu penso nelas o tempo todo e nas tantas pequenas menininhas? Porque eu apenas não quero que elas vivem nesse mundo, com um futuro impiedoso por apenas nascerem meninas e estarem sujeitas a isso tudo. O coração começa a doer de novo e angustia só aumenta.l

A nossa luta está apenas começando, gritem, gritemos até perdemos as nossas vozes, lutemos para um futuro diferente desse, agora não somos uma diante de trinta, somos muito mais, somos 100, 1000, 10000, juntas conseguiremos, eu acredito.




domingo, 8 de maio de 2016

Notas

Nossa como é bom retornar a escrever com um ótimo teclado ao seu dispor, ultimamente a vida corrida e antes pela a falta do aparelho descente, finalmente posso subir alguns post para vocês, visitantes queridíssimos desse cantinho.
Fiquei bastante tempo sem atualizar o projeto Back For You, já fazia quatro meses e a angustia me deixa-los na mão se tornou insuportável para mim, o número de leitores caiu tragicamente nesse período.
Porém falando em coisas boas, entre esses dois últimos capítulos 32 e 33 pude realizar algo que queria bastante e se tornou um desafio para mim em relação da criação de novos personagens que já faziam parte do enrendo desde os primeiros esboços do trabalho.
Como disse no capítulo 33 temos a aproximação de uma desconhecido ao grupo de amigos, afetando diretamente a personagem principal que anda passando seus dias completamente confusos, esse personagem nada mais é que um dos irmãos Collins.
Fiquei completamente feliz com a junção de ideias e para mim cheguei no ápice inicial que eu preciso, embora não houve algum comentário por conta da queda de visualizações. Aqui vai um trecho dessa nova fase.

Já o outro cara me custou o meu tempo, minha mente acreditava que o conhecia de algum lugar e perguntava para mim mesma se era isso ou eu realmente não o conhecia. Acho que passei por perto dele em algum canto desse grande lugar.
Seu cabelo também era negro, porém sem o volume do baixinho com frio. O corte definido do cabelo possibilitava que ele bagunçasse a parte da frente, talvez sem pretensão que aquele topete pudesse aumentar o sue charme, os sinais na sua pele o deixava com ar de fofo.
Quem é ele? E qual é o seu nome?
-- Freddie Collins.- a garota e o seu cabelo chamativo roxo respondia as minhas perguntas.
Não é por nenhum motivo e total relevância que decidi por esse nome para titular o capítulo, mesmo que pareça ser alguém simples, pode causar grande impactos (jogando spoiler para vocês), isso que eu realmente quero causar levando algo sério em jogo a divertido e comediante.
Para terem uma ideia, que eu gosto demais em aproximar as minhas expectativas na realidade e fazer com que vocês possam idealizar com mais precisão os personagens, me inspirei em Freddie Collins com os traços e o jeitão de Dylan O´Brien. 


 Um  outro personagem também masculino na qual foi fácil de idealizar e mais complicado de adaptar ao ponto que ele deverá se encaixar em toda a história, esse chamado de Filippo, totalmente gentil, confiante e divertido como descrito chega a ser uma empolgação, mesmo escrevendo, redigindo e postando, fazendo parte por trás disso tudo me cabe a sensação de querer saber logo o que ele pode causar e o motivo. 
Já o Filippo por aparentar ter a mesma idade ou um pouco mais velho que a da galera, ser de família Italiana e por alguns instantes se pode perceber, talvez, o quanto tem a demostrar aquilo que se parece incerto e cheios de histórias guardadas, me inspirei em Sam Clafin. 



Então o que acharam dessas observações? Se quiserem, pensei em gravar um vídeo contando mais dobre os dois capítulos para vocês um resumo, caso comentem posso responder por lá. Para isso acessem a Fanfic que se encontra no Anime Spirit, também decidi começar a respostar todos os capítulo que estão fixos por lá também no Wattpad
Tenho uma conta que sempre deixo meus rastros por lá no que vem por aí na história com as imagens que guardo no We Heart It, caso queiram falar comigo me encontro nas redes sociais que os links estão aqui em cima.